Palavra-chave: fatores genéticos associados à perda de implantes dentários

O uso dos implantes dentários é considerado uma abordagem terapêutica altamente previsível para substituição de elementos dentários perdidos, com resultados estéticos e funcionais. Apesar da elevada taxa de sucesso descrita na literatura, em algumas ocasiões podem ocorrer falhas, resultando na perda do implante. O processo de falha na osseointegração é considerado multifatorial e pode ser dividido em perda precoce (ocorre durante o período de osseointegração) ou tardia (ocorre após ser submetido a cargas oclusais)1. As falhas precoces podem ser decorrentes da preparação inadequada do leito cirúrgico (acarretando em necrose do tecido ósseo), contaminação bacteriana e inflamação da ferida, e até mesmo falta de estabilidade mecânica do implante ou prematura sobrecarga oclusal. Esses fatores podem prejudicar ou impedir a osseointegração e a cicatrização de tecidos moles. Entretanto, as principais causas que parecem levar a falhas tardias são a sobrecarga oclusal e a peri-implantite2-3.

No entanto, algumas falhas de implantes ocorrem mesmo em condições clínicas adequadas. Sabe-se que uma resposta imune anormal envolvendo diferentes tipos de células inflamatórias pode destruir os tecidos peri-implantares, resultando em falhas na osseointegração. Se ativadas, essas células podem sintetizar e liberar citocinas e outros mediadores químicos que irão estimular o processo inflamatório e a reabsorção óssea.

Uma vez que a carga genética do indivíduo influencia diretamente a resposta inflamatória e a produção de citocinas, estudos têm investigado uma possível associação entre alterações genéticas e a perda precoce/tardia dos implantes dentários. Alterações na sequência gênica, denominadas polimorfismos, ocorrem em alta frequência no genoma humano e podem afetar a função dos genes4. Estudos de associação genética têm demonstrado que os polimorfismos genéticos modulam a resposta imune e a suscetibilidade a diferentes doenças, inclusive a periodontal5.

O foco dos estudos investigando a suscetibilidade genética à perda de implantes dentários tem sido a presença de polimorfismos em genes que codificam proteínas, associados ao processo de formação e à reabsorção óssea. A presença de polimorfismos no gene da interleucina-1 (IL-1), uma importante citocina pró-inflamatória e com propriedades reabsortivas, e o hábito de fumar foram considerados fatores de risco para a perda precoce de implantes dentários6.

Semelhantemente, polimorfismos presentes no gene da metaloproteinase de matriz 1 (MMP-1)7 e no gene da interleucina-4 também foram associados à perda precoce de implantes dentários8. Polimorfismos no gene da proteína morfogenética óssea (BMP-4) e no gene do receptor da calcitonina foram associados à perda óssea marginal previamente à aplicação de carga mastigatória nos implantes dentários9-10. Entretanto, polimorfismos nos genes interleucina-2 (IL-2), interleucina-6 (IL-6)11, tumor de necrose tumoral alfa (TNF-α)12 e interleucina-10 (IL-10)13 não foram associados à perda precoce de implantes dentários. Em relação à associação de polimorfismos genéticos e à doença peri-implantar, polimorfismos no gene da interleucina-17 (IL-17) e da IL-6 foram associados à maior suscetibilidade para o desenvolvimento da doença peri-implantar e periodontal14-15.

Os resultados descritos na literatura atual sugerem uma associação entre fatores genéticos e a perda precoce/tardia de implantes dentários. Todavia, novos estudos incluindo um maior número de indivíduos e de genes investigados necessitam ser realizados para confirmar a real participação da carga genética do indivíduo no processo de falha na osseointegração. A confirmação da influência de determinadas variações genéticas permite identificar os indivíduos com maior suscetibilidade à perda dos implantes dentários, de maneira que o cirurgião-dentista possa atuar na prevenção e manutenção desses casos1.
REFERÊNCIAS

1. Alvim-Pereira F, Montes CC, Mira MT, Trevilatto PC. Genetic susceptibility to dental implant failure: a critical review. The International journal of oral & maxillofacial implants 2008;23:409-16.

2. Misch CE, Wang HL, Misch CM, Sharawy M, Lemons J, Judy KW. Rationale for the application of immediate load in implant dentistry: part II. Implant dentistry 2004;13:310-21.

3. Rosenberg ES, Cho SC, Elian N, Jalbout ZN, Froum S, Evian CI. A comparison of characteristics of implant failure and survival in periodontally compromised and periodontally healthy patients: a clinical report. The International journal of oral & maxillofacial implants 2004;19:873-9.

4. Hu S, Song QB, Yao PF, Hu QL, Hu PJ, Zeng ZR et al. No relationship between IL-1B gene polymorphism and gastric acid secretion in younger healthy volunteers. World journal of gastroenterology 2005;11:6549-53.

5. Laine ML, Crielaard W, Loos BG. Genetic susceptibility to periodontitis. Periodontology 2000 2012;58:37-68.

6. Jansson H, Hamberg K, De Bruyn H, Bratthall G. Clinical consequences of IL-1 genotype on early implant failures in patients under periodontal maintenance. Clinical implant dentistry and related research 2005;7:51-9.

7. Santos MC, Campos MI, Souza AP, Trevilatto PC, Line SR. Analysis of MMP-1 and MMP-9 promoter polymorphisms in early osseointegrated implant failure. The International journal of oral & maxillofacial implants 2004;19:38-43.

8. Pigossi SC, Alvim-Pereira F, Alvim-Pereira CC, Trevilatto PC, Scarel-Caminaga RM. Association of interleukin 4 gene polymorphisms with dental implant loss. Implant dentistry 2014;23:723-31.

9. Shimpuku H, Nosaka Y, Kawamura T, Tachi Y, Shinohara M, Ohura K. Bone morphogenetic protein-4 gene polymorphism and early marginal bone loss around endosseous implants. The International journal of oral & maxillofacial implants 2003;18:500-4.

10. Nosaka Y, Tachi Y, Shimpuku H, Kawamura T, Ohura K. Association of calcitonin receptor gene polymorphism with early marginal bone loss around endosseous implants. The International journal of oral & maxillofacial implants 2002;17:38-43.

11. Campos MI, dos Santos MCG, Trevilatto PC, Scarel-Caminaga RM, Bezerra FJ, Line SR. Interleukin-2 and interleukin-6 gene promoter polymorphisms, and early failure of dental implants. Implant dentistry 2005;14:391-6.

12. Campos MI, dos Santos MC, Trevilatto PC, Scarel-Caminaga RM, Bezerra FJ, Line SR. Early failure of dental implants and TNF-alpha (G-308A) gene polymorphism. Implant dentistry 2004;13:95-101.

13. Pigossi SC, Alvim-Pereira F, Montes CC, Finoti LS, Secolin R, Trevilatto PC et al. Genetic association study between Interleukin 10 gene and dental implant loss. Archives of oral biology 2012;57:1256-63.

14. Kadkhodazadeh M, Baghani Z, Ebadian AR, Youssefi N, Mehdizadeh AR, Azimi N. IL-17 gene polymorphism is associated with chronic periodontitis and peri-implantitis in Iranian patients: a cross-sectional study. Immunological investigations 2013;42:156-63.

15. Casado PL, Villas-Boas R, de Mello W, Duarte ME, Granjeiro JM. Peri-implant disease and chronic periodontitis: is interleukin-6 gene promoter polymorphism the common risk factor in a Brazilian population? The International journal of oral & maxillofacial implants 2013;28:35-43.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *